Home » » ENTARDECER

ENTARDECER


No êxodo de certos sentires escrevo
É tão irreverente este boneco de papel
Olvidadas noites de temperado luar
Nestes tempos de dor e mel
Ninguém me encontrará como sombra tombada
Nos umbrais da fria solidão
Esta ardência, este fogo, esta benevolência
Este machado, uma cruz de cru barro
As minhas raízes, este tempo que amarro
Não me falem mais de mais coisa nenhuma
Ressoa o tempo em inexplicáveis desertos
Xailes negros, ardentes
Ardem mudas certas palavras
Tenho a alma ausente de presentes
Nas enseadas da ilha erguem-se estátuas
São de algas já mortas os seus cabelos
Sentir foi sempre a minha vida
Nunca parti sem chegada, sem dizer nada
Escorre o sal na melancolia das pedras
Trago sementes de boa nova nos olhos só quando amo
Minhas latejantes esperanças pintam quimeras
Um lume consumiu abaladas crenças
Quem se lembra dos primeiros anos do vento
Memórias na casa do silêncio
Vês agora a mudez das neblinas
Degraus que não sobem ou descem, nada
Pegadas de uma ave que não sei na areia molhada
Insanos sentimentos correm os dias, a razão
Um ninho incendiado, um animal triste, um pardal sem asas
Um espantalho com três vinténs no bolso
A terra em estertor varrendo a paixão
Procurei na macieira frutos mordidos
Senti o azedo, enganei o prazer
Não quero o querer, ver acontecer
Esqueci o nome dos ausentes
Numa casa vazia, tão perto agora
Entardecer…
 
Support : Copyright © 2015. Celebrity Sexy - All Rights Reserved